Eles estão em todo os lugares, todos os dias, e o tempo todo estamos em contato com eles, porém sempre os ignoramos. Estas são as Políticas de Privacidade de uma empresa, produto ou pessoa. São muito importantes para nós, mas nunca lemos esses documentos.

Neste artigo vamos explorar mais sobre esses documentos e a importância para você no dia-a-dia.

O que são?

Sabe quando você baixa e instala aquele programa no seu computador, ou aplicativo no celular ou quando você acessa uma página da web e lê algo como “Por que usamos cookies? Ao navegar neste site você concorda com nossos termos de uso”, que na prática você sempre aceita, e nunca leu uma linha do que aquele imenso texto chato dizia.

Pois é, esse aí é um documento chamado “Políticas de Privacidade“, que todos nós temos, só não sabemos. Essas políticas são como uma defesa do consumidor, internauta, trabalhador ou qualquer pessoa que tenham esses direitos. Nesses documentos em geral estão escritos como uma empresa age sobre um cliente ou consumidor, ou seja, tudo aquilo que ela extrai de informações e como ela as usa, além das outras precauções que ela também tem, pois serve como proteção para a empresa também.

Existe também os “Termos de uso”, que não diferencia muita coisa do que foi dito antes, mas como o nome diz, esse também é um documento que informa como um determinado produto funciona e o que ele extrai de informações do seu utilizador. Esses imensos documentos são elaborados com a finalidade de proteger tanto o consumidor, quanto a própria empresa ou produto oferecido.

Por que devo ler esses documentos?

Sei que eles são bem cansativos, afinal, o linguajar deles são bem complexos, fora do que estamos acostumados a falar no nosso dia-a-dia, e, além disso, são intermináveis. Mas é preciso. Não só para você saber o que a empresa está pegando de você, como os direitos que você tem em sua defesa, caso aconteça algo em que haja processos na justiça.

Claro, você nem sempre precisa ler tudo na hora, você pode deixar para ler mais tarde se quiser. As vezes porque você sabe como aquele serviço funciona e precisa usar ele imediatamente, ou é um tipo de serviço mais simples.

É igual bula de remédio. Todo mundo sabe que esse remédio ajuda a melhorar a dor de estômago. Todo mundo toma e nem lê a bula dele. Mais tarde você sente uma dor de cabeça infernal e não sabe porque isso aconteceu. Quando na verdade são apenas os efeitos colaterais (descritos na bula) que você sentiu após tomar o remédio.

Remédios podem ter efeitos colaterais (fortes ou fracos) e contratos como o que vemos por aí também tem esses efeitos colaterais, mas só percebemos as consequências de um serviço, quando o estrago já está feito.

Contratos de bancos são uma forma bem simples de entender. Eles ressaltam todos os benefícios de usar aqueles serviços, tudo o que o cliente pode ganhar, sorteios que podem fazer, mas também omitem o que você não vai querer saber. Funciona assim: após você ficar empolgado em ter um serviço de um banco, eles te mostram o contrato para assinar com todos os benefícios que você pode ganhar, e os prejuízos que pode ter.

Porém as palavras são bem rebuscadas e difíceis de entender. Você folheia o contrato, acha que não há nada de estranho no documento e assina. Depois de um tempo, quando você perceber que algo está errado nesse serviço e vai reclamar, eles te dizem que isso estava descrito no contrato que você (não) leu e assinou, portanto, está “ciente” de que o banco pode te causar esses prejuízos (como altas taxas, investimentos inúteis etc.) e você não tem o que fazer.

Na internet as coisas não são diferentes. Sites recolhem informações de onde você mora, se é homem ou mulher, a idade, preferências, históricos de acesso, tempo de acesso, links clicados e ainda mantém tudo isso armazenado. Ficou de cabelo em pé?   Então por que está cadastrado no Facebook? Ou então navegando no YouTube? Esses e outros serviços coletam esses dados para análise do comportamento do visitante, para proporcionar a ele uma melhor experiência na navegação.

O nosso site também coleta esses dados, conforme você pode ler na página Políticas do site.

Mas calma, ninguém vai te prejudicar por conta disso. Se você sentiu que está com sua privacidade comprometida, que não há segurança na internet ou coisa do tipo, isso pode ser resolvido. Primeiro preste atenção na URL do site. O Facebook, Google, Yahoo, YouTube e demais sites bem conhecidos, usam o https, um protocolo que marca e diz para o internauta que a página é segura. Basta você olhar para o cadeado verde no alto da página.

Por que eu devo ter uma página de Políticas de Privacidade?

Se você tem um blog, dependendo do nicho, é praticamente obrigatório a construção dessa página. Lugares como a União Europeia tem leis específicas para regulamentar e proteger os internautas dessas coletas de dados. E acredite, os europeus são bem chato com isso. Se alguém discordar de ação de algum site, eles podem abrir um processo na justiça.

Grandes sites como o Google e Facebook, precisam tomar muito cuidado com isso, se não quiserem pagar milhões ou bilhões por conta desse documento. Não é a toa que pouco mais de um mês, recebo um email do Google avisando que mudou a política de privacidade deles.

Leia mais sobre esse assunto no link: Nova regra de privacidade online na Europa entra em vigor hoje

É recomendável que você no mínimo tenha uma página de políticas, não precisa ser tão complexo, apenas informando o que seu site coleta dos visitantes, como coleta, o que você faz com eles, e se os mantém em sigilo.

Nós temos os nossos vizinhos portugueses, que moram na Europa e podem ler seu artigo aqui no Brasil, pois o Google os listou na busca. Mas independente da Europa, faça isso pensando em cada visitante do seu site, de forma geral.

Como construir uma página assim?

#1 – Sobre

Vale falar um pouco sobre você, seu serviço (se houver), o que você faz, desde quando, etc. Neste site deixamos separados: na página Sobre o autor, você encontra um pouco sobre quem escreve neste blog, e inclusive, uma breve história deste site. Na página Políticas do site, é mais detalhado como este site funciona.

#2 – Análises

Feito isso, vamos fazer uma análise: Qual plataforma você usa? WordPress? Blogger? Wix? Tumblr? Para cada uma, uma forma de abordar diferente pode ser usado.

Para quem usa WordPress.org, utiliza plugins de terceiros para coletar esses dados, então, informe aos seus leitores que tipo de plugins são esses, o que eles coletam. Isso acontece porque no wp.org você tem maior autonomia da coleta de dados, e isso tem que ser bem especificado.

Quanto ao Blogger, Tumblr e plataformas gratuitas, geralmente os dados são coletados pela própria plataforma, ou seja, como o Blogger é gerenciado pelo Google, quem coleta os dados que você visualiza na sua dashboard vieram da equipe do Blogger. Para tal, é possível dizer que a coleta de dados é responsabilidade deles, mas que é mantida em sigilo por você.

Além disso, se você tem algum serviço, plataforma diferente, ou é mais autônomo com suas coletas de dados, você acaba se tornando mais responsável pelo o que faz. Vale falar de itens como:

  • Com quem você compartilha esses dados;
  • Por quanto tempo você mantém esses dados;
  • Para quem você envia essas informações;

#3 – Comentários

Nos comentários geralmente coletamos nome e e-mail, eles são obrigatórios para evitar SPAM. Além disso, por se tratar de um comentário, ficará visível para todos aqueles que também acessarem este site. Claro que, você pode ocultar seu nome escrevendo “Anônimo”, porém o e-mail deve ser real, mas não será visível nem compartilhado por ninguém.

#4 – Cookies

Vale apena explicar o que são cookies, como eles funcionam, e como você os utiliza. Em resumo, cookies são arquivos temporários criados pelos navegadores para agilizar o processo do usuário ao preencher formulários como o de comentários, de contato, ou login (para e-commerce).

#5 – Contato

É importante você deixar também um meio para que o usuário possa entrar em contato com você. Dessa forma fica ao seu critério aquilo que você achar melhor. Deixar um formulário de contato (o mais comum) ou o seu e-mail, o seu telefone comercial, endereço (caso seja um comércio) etc.

#6 – Outros tipos de informações

Esses tipos de dados não são importantes caso você não interaja muito com terceiros, mas para e-commerces, empresas, serviços, esses tipos de informações podem ser importantes:

  • Como seus dados são protegidos;
  • Como agimos em casos de violação de dados;
  • Quais são os parceiros que podemos compartilhar informações;
  • Responsabilidades por parte do usuário;
  • O mau uso de um serviço pelo usuário e a proteção da empresa;

Podem também existir outros tipos de informações, mas as mais importantes já foram listadas. Lembrando que: Termos de Uso, Políticas de Privacidade, são algo que podem variar bastante de empresa para empresa devido aos diferentes serviços prestados e informações obtidas. Cada empresa tem um tipo de procedimento em caso de conflito, e isso está tudo documentado e disponível na internet.

Já nós, como usuários e consumidores devemos ler esses termos, e sempre ficarmos atentos com possíveis brechas.

E aí, tem alguma sugestão importante para ser adicionada a lista? Comenta aí!

Há mais de 5 anos está escrevendo e se dedicando a este site. Com paixão pela tecnologia, estuda Sistemas de Informação e nas horas livres pratica programação e outras maluquices da informática.

Não deixe de Compartilhar!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •